Ocorreu um erro neste gadget

09 outubro, 2010

Ciro e sua opinião sobre Dilma, PT, PMDB, FHC, Serra e Michel Temer



Este vídeo mostra a real opinião de Ciro Gomes, antes do PT, ter resolvido comprar seu passe, é claro! Ciro agora dirige a campanha de Dilma e pode apostar, se ela ganhar, Ciro levará um bom ministério para tomar conta. Consequentemente não pode mais expor estas verdades como expôs.
Sabemos que o PMDB é um partido moderado, sempre fica em cima do muro e apóia quem está no poder. Oras eles não tem ideologia nenhuma, o que procuram é manterem-se no poder, sem principios, onde tudo vale para que sua finalidade tenha sucesso! (poder pelo poder)
Quanto à sua opinião sobre FHC é a mais pura verdade, pena que ele agora não possa repetir, já que o PT está pagando o seu salário.
Já sobre a afirmação que Serra é mais preparado para ser presidente, todos temos plena consciência, mas uma grande parcela prefere ainda enxergar as mentiras que Lula conta.

12 comentários:

  1. Não a mentira que o Lula conta, e sim que você tem que prestar mais atenção nas eleições e não nas mentiras e falácias que a grande midia coloca, o pais é mais decente, e se você posta um Blog na rede é graças a este governo que democratizou o uso livre das redes sociais, e espandiu parcerias com a GOOGLE e Yahoo, não deixou nas mão de poucos...se não fosse este Governo o Eduardo Azeredo iria registrar todas as patentes de internet, ou seja você não teria livre opinião para falar o que pensa...pense nisso!!!

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo, ao contrarário do explanado a democratização do uso das redes sociais não foi conquista de NENHUM governo, mas sim um avanço que devemos a agradescer a empresários do ramo da tecnologia.
    Quanto ao que nos disse sobre o uso do Google ou Yahoo, esta informação é uma GRANDE mentira, e a devemos também aos empresários do ramo.
    Também quando ao registro de todas as patentes da internet que Eduardo Azeredo iria fazer, nunca ouvi algo tão fora da realidade.
    Pessoal, vamos em busca da verdade e da realidade, peço que não criem desinformações como este do caso acima!

    ResponderExcluir
  3. Os empresários se fosse por eles, estariamos em um grande copight nas redes, veja os exemplos da própria luta do Napster...e desculpe voce esta fora da realidade, como pode usar uma imagem de software livre, se esta conquista se deve aos programadores de suas próprias casas...para o ramo do negócio Software Livre nunca seria uma realidade a qual temos agora.

    ResponderExcluir
  4. Copight que você tentou usar, entendo que seja copyright que nada mais é do que direitos autorais.
    Não entendi quando explicou que estariamos em uma grande copight, pois se a própria copyright é quem garante os direitos de propriedade do autor, e desta forma o defende de usos indevidos de terceiros.
    Quanto à luta da Napster, acompanhei na época, e não tem nada a ver com o assunto em questão, peço que se possível seja mais esclarecedor.
    Quanto ao software livre, você está confundindo a discussão, pois em nada a ver tem o tema, já que havia falado na democratização do uso da internet.
    Pois como TODOS sabem, o google e yahoo não cobram sobre o uso de suas ferramentas de procura ou blog em lugar nenhum do planeta, portanto a liberdade de seu uso, não é devido à nenhum governo mas sim uma escolha dos empresários deste ramo em fazê-los gratuitos.

    ResponderExcluir
  5. sou obrigdo a dizer isso, infelizmente este Blog não é neutro, é uma tentativa de abominar todos os assuntos que estão sendo discutidos no país, e no seu caso pense bem antes de falar...fico triste com pessoas que olham o seu lado, e não tem uma visão ampla sobre o assunto...veja o exemplo da China e como é o uso da Internet lá. Não vou falar mais porque mostrou uma garnde pobreza no aspecto de discutir o que o Governo ajudou a fazer para melhorar o acesso, as pessoas ...fique com este seu ódio e sua alta afirmação, fique com DEUS

    ResponderExcluir
  6. Deputado apresenta substitutivo que altera artigos sobre fornecimento de informações de acesso, e vota pela aprovação do PL84/99.

    O polêmico Projeto de Lei sobre crimes digitais (PL 84/99), mais conhecido pelo PL do Azeredo, em alusão ao senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), autor de um substitutivo que tornou a tipificação de uma série de crimes no mundo virtual ainda mais rigorosa durante a passagem pelo Senado, voltou a tramitar na Câmara dos deputados. Desde agosto, duas comissões _ a de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCCO) e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) _ já votaram a favor de sua aprovação. Mas na CCJC, o relator, deputado Regis de Oliveira (PSC-SP), acrescentou novo substitutivo modificando a redação de muitos dos 21 artigos do Capítulo IV, que trata do Código Penal e em vários artigos polêmicos do capítulo V, entre outros.

    Entre as principais modificações estão alterações significativas no artigo 22 do capítulo V, que trata da responsabilidade dos provedores de acesso no fornecimento de informações para apuração de crimes, que passa a responsabilizar também os prestadores de serviço de conteúdo (servidor webmail, homepage, etc) e a sugestão de que a obrigatoriedade da que a requisição judicial se aplique somente para dados sensíveis – a própria informação, e não quanto aos cadastros.

    No texto do substitutivo, o deputado Regis de Oliveira justifica as modificações como forma do texto do projeto passar a "estar na mais perfeita consonância com o ordenamento jurídico vigente, proporcionando assim os meios necessários a criação da legislação necessária para o combate dos delitos perpetrados por meios eletrônicos", diante de novas condutas, como phishing scam e hoax, muito utilizados em ações de engenharia social relacionadas às fraudes bancárias e financeiras.

    "Hoje são inúmeras as possibilidades de 'ganho fácil' para os criminosos digitais, principalmente porque, a maior parte de suas vítimas não são afetas ao uso adequado dos recursos computacionais que diariamente utilizam, tornando-se assim presa fácil numa batalha feroz travada numa arena digital", diz o texto do substitutivo

    O deputado lembra ainda que as estatísticas revelam que o Brasil é o País com o maior número de “crackers” especialistas no mundo, sendo relevante o fato da imprensa anunciar que o Brasil é o país onde se dá o maior número de ataques a páginas Web, e isto acontece porque a sensação de impunidade leva o infrator à certeza que mesmo que seja apanhado, dificilmente será condenado, pois, não havendo leis específicas, a analogia não pode ser empregada no campo do direito penal.

    E recomenda que o Brasil subscreva a Convenção de Budapeste, abarcando todas as hipóteses do que lá se contém (acesso ilegal, atentado à integridade dos dados, atentado à integridade do sistema, abuso de dispositivos, falsificação informática, fraude informática, pornografia infantil e infrações à propriedade intelectual e aos direitos conexos), incondicionalmente, inserindo-se imediatamente no sistema legal brasileiro as regras procedimentais lá previstas, com a possibilidade da busca e apreensão de dados informáticos, salvaguarda de informações etc..

    Dessa forma, o deputado inclui no Capítulo IV o artigo 285-A, que trata do acesso mediante violação de segurança, rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, protegidos por expressa restrição de acesso, crime este punido com pena de reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa. Se o autor do crime se valer de nome falso ou da utilização de identidade de terceiros para a prática do crime, terá a pena é aumentada de sexta parte.

    Segundo Regis de Oliveira, a redação deste artigo preenche lacuna e harmoniza-se com a Convenção de Budapeste. É a ‘invasão de domicílio eletrônico’ que o Direito Italiano contempla. Só que lá se inseriu um singelo parágrafo no artigo referente à invasão, equiparando o sistema informático a casa.

    Ai está a resporta sobre o Azeredo

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Quem.
    Em relação à sua tréplica anterior nada tenho a falar, pois não discutiu os FATOS, fugindo da discussão sadia e procurou descaracterizar a minha idenoidade com ataques sem sentido, expressos por uma opinião com fundamentos extremamente pobres, já que sua idéias não correspondiam aos fatos.
    Quando à sua acusação sobre Eduardo Azeredo e o Brasil "torna-se uma grande copyght nas redes", sua defesa foi copiar este texto da web para que eu leia?
    Acredito que nem voce tenha lido, pois ela não tem NADA a ver com o assunto de "copight" e democratização da internet, como voce diz. Trata-se da de criminalizar crimes cibernéticos, como fraudes, atentado à integridade dos dados, falsificação na rede, infrações à propriedade intelectual entre outros. Portanto meu amigo, o objetivo da lei era dar poderes à justiça para que possa atuar em crimes cibernéticos.
    Por favor, leia mais sobre os assuntos que pretende discutir, e compreenda sobre seu embasamento, já que pelo visto conhece somente as palavras que petistas repetem , sem ir a fundo no centro dos problemas.
    As informações estão ai meu amigo, não adianta falar da "grande mídia" ou falácias para atacar meu site, todas as informações estão à seu acesso, estude mais e venha ter uma discussão sadia sem preconceitos e com apresentação de fatos.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. ANDRÉ DESCULPE MAS GOISTARIA DE DEBATER COM VC UMA PESSOA Q ESCREVE TÃO BEM NÃO DEVERIA UTILIZAR DESSE TIPO DE ARGUMENTO Q VC UZOU PARA DEBATER COM O OUTRO RAPAZ!!!!

    ResponderExcluir
  10. Antes de comentar avanços tecnologicos e utilizar a imagem do linux deveria repensar um pouco da onnde veio este programa

    ResponderExcluir
  11. Rafael

    Como quiser meu caro, não procuro ter razão mas sim expor argumentos que nos levem ao limiar da verdade.
    Porém se notar cronologicamente, não fui eu quem iniciou o modo ríspido com as palavras, uso do seguinte bom senso: "Minha educação depende da sua"

    grande abraço
    André R.

    ResponderExcluir
  12. Meu amigo, o Linux é uma "General public license", ou seja o criador não quis obter lucros com sua distribuição comercial. Você poderá encontrar maiores informações no wikipédia americano.
    Mas o que ele teria à ver com o assunto, poderia me ajudar a inseri-lo no contexto da conversa?

    ResponderExcluir

Quer ter seu blog divulgado no Transparência Política? Veja como na aba da direita, logo ao lado.

Seguidores do Blog T.P.